Arquivo | setembro, 2011

Já pensou em mudar de nome?

19 set
Não é por nada não, mas tem nomes que causam constrangimento, outros são muito comuns e há outros que são incomuns demais.
O nome é algo que identifica,
caracteriza e personaliza a gente.
Quem conhece o nome de alguém, podemos
dizer que tem, de certa forma, intimidade com essa pessoa.
A gente se assusta quando um desconhecido
chega e chama a gente pelo nome como se já nos conhecesse, e principalmente se
nos chamarem por um apelido que poucos conheçam.
Às vezes quando queremos nos
aproximar de alguém procuramos logo um jeito de descobrir o seu nome.
O Patriarca hebreu Moisés se
interessou em saber o nome do Soberano Divino, numa atitude clara de ter mais
proximidade, de experimentar mais intimidade com o Todo Poderoso.
Mas tem gente que praticamente
não tem mais um nome a apresentar.
Quantas pessoas hoje são chamadas
apenas de drogado, derrotado, desgraçado, cachaceiro e etc. Encontramos tanta
gente que perdeu o nome, a identidade, a moral.
Outro Patriarca hebreu, numa luta
inexplicável com um anjo, foi abençoado tendo o seu nome mudado de Jacó para
Israel, ou seja, de enganador para “o que luta com Deus”.
Nos escritos bíblicos encontramos
várias pessoas que tiveram seus nomes mudados de maneira sobrenatural, e em
cada caso houve uma mudança de 360º graus em suas vidas.
Não podemos esquecer que sempre é
possível um recomeço, sempre há uma porta aberta onde podemos retomar, reconstruir,
refazer um novo nome.
Pra termos um novo nome não
precisamos ir a um cartório pra alterar o nosso registro civil, necessitamos
ter a coragem de, com a ajuda de Deus, dar um novo rumo à vida.
Você e eu podemos ser chamados de
vencedores, felizes, amigos, agradáveis. Há um caminho que temos a percorrer, e
nessa trajetória não estamos sozinhos, temos a ajuda de nosso Pai Eterno, e se
for preciso ele nos fará até nascer de novo, e assim nos fazer experimentar uma nova
realidade de vida, e ter, um novo nome.
Anúncios

A luta dos estudantes da UPE

10 set

Normal
0

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:”Times New Roman”;
mso-ansi-language:#0400;
mso-fareast-language:#0400;
mso-bidi-language:#0400;}

A situação
no Campus Petrolina da UPE chegou num nível de calamidade pública.
Não é de
hoje que a situação da UPE está preocupando a comunidade acadêmica do Vale do São
Francisco.
Infelizmente
o momento hoje é crítico e é preciso uma atitude determinada do governo do
estado porque senão as coisas vão chegar num patamar irremediável.
Chama
bastante atenção a atitude do alunado em se manifestar pra sociedade
petrolinense.
Esta semana
pararam a Ponte Presidente Dutra por cerca de uma hora, participaram do Grito
dos Excluídos no 7 de setembro, e continuam se movimentando, panfletando,
realizando protestos em locais públicos e até registrando sua indignação nos pára-brisas
dos veículos.
E
interessante é que o protesto dos discentes é tão pertinente que até os
professores resolveram se manifestar a favor da pauta de reivindicação dos
estudantes.
Há uma carência
de pelo menos 30 professores no Campus Petrolina, e isso é só uma das deficiências
da UPE Petrolina.
Até agora
as manifestações tem repercutido bem na imprensa e em vários blogs. Tomara que
o Governador Eduardo Campos, o Secretário de Educação Anderson Gomes e o Reitor
Carlos Fernando de Araújo Calado se sensibilizem e tomem uma atitude imediata
em prol da UPE, especialmente do Campus Petrolina. E que todos os alunos também
se conscientizem e se engajem na luta.
Quem quiser
acompanhar a ação do alunado acesse o blog http://atoestudantil.blogspot.com/

Ser pai – Um desafio magnífico

4 set

Ser pai – Um desafio magnífico
Esta semana minha filhota
completa 18 aninhos e eu me assusto.
Como pode uma
pichototinha daquela já ser “de maior”?
Sem falar que o
primogênito já já completa 21 anos de idade.
E pra completar, o
caçulinha de papai, que em breve completa 17, já tá maior do que o pai e
pensando ele que já é um homem, quando pra mim não passa de um guri.
E ai eu falo a velha
frase: “Meu Deus, como o tempo passa rápido”.
Ontem, eram todos bebês,
sendo carregados aos braços dormindo quando saíamos pra algum lugar, agora cada
um anda com suas próprias pernas, tem seus próprios compromissos, tem suas
aspirações próprias.
Fui pai muito cedo, com
apenas 21 aninhos de vida, e ao longo dessa trajetória me peguei várias vezes
em dúvida se estava agindo certo ou não, se estava sendo um pai correto ou não.
Fica sempre a dúvida se
era o momento de apertar ou de afrouxar, se era hora de jogar duro ou de
amenizar. Quem é pai ou mãe sabe exatamente o que significa isso.
Mas não posso negar que é
uma experiência maravilhosa colocar no mundo alguém com uma personalidade diferente
da sua, mas que ao mesmo tempo tem seu DNA e em muitos aspectos parece com
você.
Quero ter o prazer e a
alegria de acompanhar os passos de netos, bisnetos e quem sabe até tataranetos,
e assim cumprir, por assim dizer, minha missão de pai por mais tempo.
Ser pai é um sacerdócio.
Ser pai é uma dádiva.
Ser pai é ser um exemplo.
Ser pai é ser um
instrutor.
Ser pai é torcer sempre
pelo filho ou filha.
Ser pai é fazer tudo pra
o filho ter uma vida melhor do que a sua.
Ser pai é ser um parceiro
e amigo.
Ser pai é a experiência
mais marcante na vida de um homem.
Ser pai é um desafio
MAGNÍFICO!